Sintomas da Diabetes: Tratamento, Causas, Diagnóstico e Prevenção

Atualizado em: 2019/07/17

Diabetes é uma condição onde as pessoas não produzem insulina suficiente para atender a necessidade do corpo ou as células não respondem adequadamente à insulina.

diabetes
Diabetes: Teste de glicose

A insulina é importante, pois transporta a glicose, um açúcar simples, para as células do corpo a partir do sangue. Ela também tem uma série de outros efeitos sobre o metabolismo.

A alimentação fornece para o corpo a glicose, que é utilizada pelas células como fonte de energia. Se a insulina não está disponível ou não funciona corretamente para transportar a glicose do sangue para dentro das células, a glicose permanece no sangue.

🖐️ Altos níveis de glicose no sangue são tóxicos, e as células que não recebem glicose ficam sem a energia que precisam para funcionar corretamente.

Tipos de Diabetes

Existem dois tipos principais: tipo 1 e tipo 2. Mais de 90% das pessoas diabéticas sofrem do tipo 2. Mais de um terço dos diabéticos tipo 2 não sabem que têm a doença e não estão recebendo o tratamento necessário, porque, para muitas pessoas, os primeiros sintomas não são visíveis.

Tipo 1

Ocorre quando o pâncreas não produz insulina. Diabéticos tipo 1 necessitam de injeções de insulina. A maioria das pessoas são diagnosticadas com diabetes tipo 1 durante a infância ou adolescência.

Tipo 2

Ocorre quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou o corpo não a utiliza de forma adequada. Ocorre geralmente em adultos, embora, em alguns casos, as crianças podem ser afetadas.

Pessoas com diabetes tipo 2 geralmente têm uma história familiar da doença e 90% estão com sobrepeso ou obesos. Diabéticos tipo 2 podem, eventualmente, precisar de injeções de insulina

Gestacional

Outra forma menos comum é o diabetes gestacional, uma condição temporária que ocorre durante a gravidez. O problema geralmente desaparece após o parto, mas as mulheres que tiveram a doença na gravidez têm um risco maior de desenvolver diabetes tipo 2 mais tarde na vida.

Prediabete

Prediabetes é um termo usado para descrever os níveis de açúcar no sangue que são mais elevados do que o normal, mas não alto o suficiente para ser classificado como diabetes. Muitas pessoas com prediabetes podem desenvolver a doença.

Causas

A diabetes tipo 1 é uma doença autoimune. Acredita-se que uma combinação de predisposição genética e fatores adicionais (ainda não identificados) atacam e matam as células produtoras de insulina no pâncreas. Não há nenhuma maneira de prevenir que o diabetes tipo 1 ocorra.

Diabetes tipo 2 é causado principalmente por uma resistência à insulina. Isto significa que não importa o quanto ou quão pouco de insulina é produzida, o corpo não pode usá-la como deveria. Como resultado, a glicose não pode ser transportada do sangue para dentro das células.

Ao longo do tempo, o excesso de açúcar no sangue gradualmente prejudica o pâncreas, fazendo com que ele produza menos insulina e tornando ainda mais difícil manter a glicose no sangue sob controle.

A obesidade é uma das principais causas de resistência à insulina, cerca de 90% dos diabéticos tipo 2 estão acima do peso ou obesos. Fatores genéticos também são susceptíveis de causar diabetes tipo 2. Um histórico familiar da doença aumenta as chances de desenvolver a condição.

Outros fatores de risco para o desenvolvimento de diabetes tipo 2 incluem:

  • idade acima de 40 anos ou mais;
  • doença dos vasos sanguíneos (por exemplo, danos aos vasos sanguíneos nos olhos, rins, nervos, coração, cérebro, braços e pernas);
  • pressão arterial elevada;
  • colesterol elevado;
  • histórico de diabetes gestacional;
  • histórico de prediabetes ou deficiência de glicose em jejum;
  • dar a luz a um bebê grande (pesado);
  • certas condições médicas (por exemplo, a infecção pelo HIV);
  • transtornos de saúde mental (por exemplo, transtorno bipolar, depressão, esquizofrenia);
  • acanthosis nigricans (uma condição causando manchas de pele escura);
  • síndrome do ovário policístico;
  • apneia obstrutiva do sono;
  • uso de certos medicamentos (por exemplo, corticoides, como a prednisona, certos medicamentos antipsicóticos, certos medicamentos antivirais para o HIV).

Sintomas

Sintomas do Tipo 1

Pessoas com diabetes tipo 1 que não estão sendo tratadas, tendem a urinar com frequência e sentir sede excessiva. Além disso, sentem cansaço e perda de peso, apesar de normal ou excessiva ingestão de alimentos.

Sintomas do Tipo 2

Os sintomas do diabetes tipo 2 geralmente aparecem de forma mais gradual. Diabéticos tipo 2 que não têm a sua glicose no sangue controlada, muitas vezes têm uma sede persistenteurinam com frequência, sentem leve fadiga e queixam-se de visão turva. Muitas mulheres com a doença têm recorrentes infecções vaginais.

Complicações

O diabetes é a principal causa de doença cardíaca, e também a maior causa de cegueira e insuficiência renal em adultos. Idosos diabéticos têm duas vezes mais chances de desenvolver pressão alta, do que idosos sem a doença.

As pessoas diabéticas são 20 vezes mais propensos a sofrer amputações no pé e outros membros inferiores devido a problemas circulatórios.

Entre 34% a 45% dos homens que têm diabetes sofrem de disfunção erétil em algum ponto.

Diagnóstico

A doença pode ser diagnosticada com exames de sangue simples. O seu médico pode selecionar um dos quatro testes para avaliar se você tem diabetes.

  • Nível de glicemia em jejum: Se o nível de glicose no sangue é de 7,0 mmol/L ou mais, após um jejum de pelo menos 8 horas – o médico pode diagnosticar diabetes. Se o nível de glicose no sangue está entre, de 6,1 a 6,9 mmol/L, o médico pode diagnosticar a deficiência da glicose de jejum ou prediabetes.
  • A1C: Hb A1C, também chamada de hemoglobina glicada, reflete a média dos níveis de glicose no sangue nos últimos 2 a 3 meses. Se o A1C é de 6,5% ou mais, o médico pode diagnosticar diabetes. Se o A1C é entre 6,0% e 6,4%, o médico pode diagnosticar prediabetes. Observação, o A1C não pode ser usado para diagnosticar a diabetes tipo 1, diabetes em crianças, adolescentes ou mulheres grávidas.
  • Nível aleatório de glicose no plasma: Se o nível de glicose no sangue é de 11,1 mmol/L ou mais, sem relação à hora do dia ou da última vez que comeu, o seu médico pode diagnosticar a doença.
  • Teste oral de tolerância à glicose (OGTT): Para realizar o teste é necessário jejum de pelo menos 8 horas e, em seguida, ingerir uma bebida com 75 g de carboidratos. A glicose no sangue é controlada 2 horas após a ingestão da solução em jejum. Se a glicose no sangue é de 11,1 mmol/L ou mais, o médico pode diagnosticar a doença. Se a glicemia 2 horas depois de beber a solução estiver entre os 7,8 11,1 mmol/L, o médico pode diagnosticar prediabetes. Este é o método preferencial para teste para diabetes gestacional.

Se você estiver sintomático (por exemplo, aumento da sede ou da quantidade de urina, perda de peso inexplicada), o seu médico pode usar apenas um único teste para diagnosticar a doença.

Se você não tem nenhum sintoma, um nível alto de glicose no exame não necessariamente significa que você tem a doença. O seu médico irá repetir um dos exames de sangue novamente em outro dia (geralmente 1 semana depois) para confirmar o diagnóstico.

Tratamento e Prevenção

Boa notícia para os diabéticos, surgem novos tipos de tratamentos naturais com resultados satisfatórios que anima os pacientes.

Atualmente, a diabetes tipo 1 não pode ser evitada. No entanto, estudos têm mostrado que a diabetes tipo 2 pode ser prevenida com a adoção de mudanças no estilo de vida que incluem moderada perda de peso com uma dieta saudável e exercícios físicos com regularidade.

Além disso, estudos têm demonstrado que certos medicamentos antidiabéticos podem desempenhar um papel na prevenção do desenvolvimento de diabetes tipo 2 para pessoas com prediabetes.

O Diabetes é uma doença crônica, que pode durar uma vida inteira. O objetivo do tratamento é manter os níveis de glicose no sangue o mais próximo de uma faixa normal. Isso impede a evolução dos sintomas e as complicações a longo prazo da doença.

O tratamento da doença requer uma quantidade significativa de esforço real do paciente. Lidar com diabetes é um desafio permanente, isto porque requer mudanças no hábitos de vida.

🖐️ Parte de um plano de tratamento pode incluir produtos à base de ervas medicinais para ajudar a controlar o açúcar no sangue, estudos comprovam que estes tratamentos são seguros e eficazes.

Diabéticos tipo 1 precisam de insulina continuamente para manter a doença controlada. A única maneira de curar esta doença seria com transplante de pâncreas, mas estas operações só são recomendados em um pequeno conjunto de circunstâncias.

O tratamento da diabetes tipo 2 começa com mudanças de estilo de vida, incluindo alimentação saudável e exercício. Se você tem diabetes tipo 2, fale com o seu médico ou nutricionista sobre uma dieta adequada.

🖐️ A falta de conhecimento sobre como lidar com a alimentação de forma inteligente ainda é uma problema para muitos diabéticos.

Se as mudanças de estilo de vida não controlarem a doença, os medicamentos podem ser necessários. A medição incluí comprimidos ou injeções de insulina, ou uma combinação destes.

Medicamentos são muito eficazes no tratamento e podem reduzir os sintomas e efeitos a longo prazo da doença. No entanto, você pode ter hipoglicemia (um nível de glicose no sangue demasiado baixo) enquanto estiver consumindo certos medicamentos para diabetes.

Os sintomas de hipoglicemia incluem:

  • ansiedade
  • tremores ou tremores
  • transpiração
  • fome
  • náuseas
  • batimento cardíaco acelerado
  • dificuldade de concentração
  • tonturas
  • sonolência
  • fadiga
  • dor de cabeça
  • irritabilidade
  • alterações visuais

Se o seu nível de glicose no sangue está muito baixo, é possível ter uma convulsão ou perda de consciência. Um profissional de saúde pode ensiná-lo a reconhecer os sinais de aviso de hipoglicemia. As pessoas diabéticas devem levar doces, açúcar, ou tabletes de glicose para tratar a hipoglicemia, caso ocorra.

A hipoglicemia é um efeito colateral de vários medicamentos para o tipo 1 e 2 do doença, mas nunca é um motivo para evitar começar o tratamento. A melhor maneira para evitar a hipoglicemia é comer refeições regulares e monitorar a glicose no seu sangue.

Medição dos níveis de glicose no sangue é a melhor maneira de saber se os níveis de glicose no sangue estão normais. Isso é facilmente feito em casa com um monitor de glicose no sangue. É essencial monitorar os níveis de glicose no sangue.

No entanto, o número de vezes que você deve medir sua glicose no sangue será com base no tipo de diabetes e o tratamento. Algumas pessoas podem precisar de medir seus níveis de glicose no sangue várias vezes por dia, enquanto que outros podem fazer o teste com pouca frequência.

É importante o registro da glicose no sangue em momentos diferentes do dia – após o jejum (antes do café da manhã), bem como a 2 horas após uma refeição. Isto permite que seu médico veja como seus níveis de glicose no sangue variam durante o dia, e assim recomendar o tratamentos adequado.

A maioria dos medidores de glicose no sangue agora têm “memória”, que armazena um número de testes de glicose no sangue, juntamente com a data e hora em que foram tiradas, e ainda utilizam gráficos de resultados.

Teste de A1C não é apenas utilizado para o diagnóstico de diabetes. Ele permite que o médico veja a média dos valores de glicose no sangue nos últimos 3 meses. A média é uma boa indicação de quão bem sua glicose está e permite que o médico prescreva a forma de tratamento mais eficaz. O A1C é geralmente medido a cada 3 a 6 meses.

3 comentários em “Sintomas da Diabetes: Tratamento, Causas, Diagnóstico e Prevenção”

Deixe um comentário